MENU

Poema

Remorso - Castro Alves

Em que pensa Carlota após a valsa,
No tapete
Atirando o bournous quando descalça...
Ou melhor... quando rompe a luva, a fita,
Se a presilha, o colchete,
Em leve resistência a mão lhe irrita...
Em que pensa Carlota após a valsa?

O Navio Negreiro - Castro Alves
Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões
Canção do exílio - Gonçalves Dias
How Do I Love Thee? - Elizabeth Barrett Browning
Lembrança de Morrer - Álvares de Azevedo
O Diário de Anne Frank - PDF
Vozes d'África - Castro Alves
Busque Amor Novas Artes, Novo Engenho - Luís Vaz de Camões
A Canção do Africano - Castro Alves
Versos íntimos - Augusto dos Anjos
Psicologia de um Vencido - Augusto dos Anjos
Ismalia - Alphonsus de Guimaraens
Antífona - João da Cruz e Sousa
As Pombas - Raimundo Correia
Ela - Machado de Assis
Motivo - Cecilia Meireles
À Cidade da Bahia - Gregório de Matos
Que falta nesta cidade - Gregório de Matos
Nel mezzo del camim - Olavo Bilac
A Alvorada do Amor - Olavo Bilac

Remorso - Castro Alves

Em que pensa Carlota após a valsa,
No tapete
Atirando o bournous quando descalça...
Ou melhor... quando rompe a luva, a fita,
Se a presilha, o colchete,
Em leve resistência a mão lhe irrita...
Em que pensa Carlota após a valsa?

Em que sonha Carlota à madrugada,
Quando aperta
Ao travesseiro a boca perfumada.
E afoga o seio sob a cruz de prata,
Pela camisa aberta,
Que um movimento lânguido desata...
Em que sonha Carlota à madrugada?

Com quem fala Carlota ao sol poente,
Na sombria alameda,
Quando os cisnes se arrufam na corente...
E o vento pelas grutas cochichando
Uns noivos arremeda,
Que estão como dois pombos arrulando...
Com quem fala Carlota ao sol poente?

Por que chora Carlota ao meio-dia,
Quando nua de adorno,
Cobrindo os pés... co’a trança luzidia,
Entrega o corpo ao vacilar da rede,
E olhando o campo morno,
Os lábios morde... pr’a matar a sede.
Por que chora Carlota oa meio-dia?



O que cisma, o que sente, por quem chora
A soberba Carlota?
A rainha das salas já descora...
Foge o cetro do leque aos dedos frouxos,
E a turba alegre nota
O fundo circ’lo de seus olhos roxos.
Que não diz o que cisma e porque chora...

Quem te mata, Carlota, são remorsos
De algum divino crime?
São ciúmes que escondem teus esforços?
Tens vergonha talvez deste rosário
Que tua mão comprime,
Porque um sopro roçou no relicário?
E desmaias, Carlota, de remorsos?!

Se é por isso não pises tanto os olhos...
Formosa criatura!
O mundo é um mar de pérfidos escolhos,
Quem te pode lançar primeiro a pedra?
Amor! e formosura!
Deus não corta a roseira porque medra...
Se é por isso não pises tanto os olhos!

Mas não! Chora! Teu mal é sem remédio...
Serás mártir sem palma,
Pregada numa cruz... na cruz do tédio!
Fria Carlota! Cobre-te de pejo...
Mataste à sede um’alma!
Fizeste o crime... de negar um beijo!
Chora! Que este remorso é sem remédio!!...



Mais de sanderlei.com.br

Música - Song
Radar by Sanderlei (TRENDS)
Tudo que rola no mundo musical, incluindo Billboard Hot 100 e músicas de mais de 100 países em 50 diferentes línguas.

PDF Domínio Público
Livros em PDF para Download
Lista completa de Livros em PDF para Download em Domínio Público

Just Go - Viagem Volta ao Mundo
#JustGo - Sanderlei Silveira

Poesia
Poemas by Sanderlei

A Boneca - Olavo Bilac
Descalça vai para a fonte - Luís Vaz de Camões
Ao braço do mesmo menino Jesus quando apareceu - Gregorio de Matos
Língua Portuguesa - Olavo Bilac
Transforma se o Amador na Cousa Amada - Luís Vaz de Camões
Tragédia no lar - Castro Alves
Alma minha gentil que te partiste - Luís Vaz de Camões
A Carolina - Machado de Assis
Como Quando do Mar Tempestuoso - Luís Vaz de Camões
Velhas Árvores - Olavo Bilac
Balada da Neve - Augusto Gil
A mãe do cativo - Castro Alves
Sôbolos rios que vão - Luís Vaz de Camões
Bandido Negro - Castro Alves
Quase - Mário de Sá-Carneiro
A cruz da estrada - Castro Alves
Amar - Florbela Espanca
Budismo Moderno - Augusto dos Anjos
O morcego - Augusto dos Anjos
Porque Quereis, Senhora, que Ofereça - Luís Vaz de Camões
Marabá - Gonçalves Dias
A moleirinha - Guerra Junqueiro
Incensos - João da Cruz e Sousa
Vozes da Morte - Augusto dos Anjos
Cantata à morte de Inês de Castro - Bocage
Fábula - O pássaro e a flor - Castro Alves
A ideia - Augusto dos Anjos
Quem Ve, Senhora, Claro e Manifesto - Luís Vaz de Camões
América - Castro Alves
Mater Dolorosa - Castro Alves
Os doentes - Augusto dos Anjos
Música Misteriosa - João da Cruz e Sousa
Remorso - Castro Alves